Publicidade

Posts com a Tag Cesar Cielo

domingo, 26 de agosto de 2012 Troféu José Finkel | 09:44

O Finkel mais disputado dos últimos anos

Compartilhe: Twitter

Hoje, clássicos no futebol; ontem clássicos na natação. Competição é isso! Este Troféu José Finkel demonstrou que uma competição mais equilibrada eleva o nível dos resultados (e também das atitudes). A disputa do campeão (entre Flamengo e Minas) e do terceiro (entre Corinthians e Pinheiros) fez com que a última prova fosse a decisiva! Juntos, Pinheiros, Flamengo e Minas tem boa parte dos títulos.

Marieke Guehrer: rainha da Copa do Mundo, 4 anos atrás com o finado van der Burgh. (AP)

Eu particularmente gosto assim, não porque o Minas foi campeão, mas sim porque o evento fica mais bacana. Não via algo assim desde 1989, quando quatro equipes chegaram ao último dia com condições reais de levar o título (sim, as mesmas 3 e o Curitibano). O destino quis que as últimas finais fossem cancelada por conta do caso de minigite de uma atleta e, pela primeira e única vez, não houve campeão declarado.

A contagem de pontos a cada prova, o incentivo de que cada ponto conta, a busca pelos recordes e seus pontos adicionais; tudo isso em condições não ideias para os melhores resultados. Assim mesmo, festival de recordes (24 de campeonato e 6 brasileiros/sul-americanos), além de 10 nadadores já com índice para o Mundial de Istambul.

Istambul: próxima parada internacional em dezembro.

Os destaques acabaram sendo os medalhistas olímpicos brasileiros e duas estrangeiras contratadas pelo Flamengo e Minas. Thiago Pereira conseguiu a maior pontuação entre os homens, com recordes e índices no pacote. Cesar Cielo foi o mais técnico com seus 50m livre (nadador que fez o resultado mais expressivo tecnicamente), mesmo título para sua “pupila” australiana Marieke Guehrer, enquanto a holandesa Frederike Heemskerk deu preciosos pontos ao Minas, que, alías venceu graças a força no feminino.

No mais, parabéns a todos!

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 22 de agosto de 2012 resultados, Troféu José Finkel | 23:51

José Finkel: recordes, índices e dúvidas

Compartilhe: Twitter

Recordes sul-americanos para Thiago Pereira (100m medley), Joanna Maranhão (200m costas), Guilherme Guido (50m costas) e o revezamento 4x50m livre do Flamengo, no Troféu José Finkel, que é realizado em SP, em piscina semi-olímpica (25m).  Destes, apenas a prova de Joanna é olímpica. Por enquanto… Surgiu um burburim que talvez incluíssem as provas de 50m estilos nos Jogos Olímpicos (apenas o livre foi inserido no programa em 1988), o que ia ajudar muito os brasileiros, já que estamos regularmente nas primeiras posições no ranking mundial nestas provas.

Guido: mais um recorde sul-americano para sua carreira.

Em plena ressaca olímpica, além de ajudar seu clube a alcançar nova marca continental, Cesar Cielo não reclamou das várias provas que teve que nadar antes de atingir sua segunda melhor marca sem os trajes nos 50m livre. Pior, numa piscina aberta, em pleno campeonato de inverno, que tem muita marola (que puder acompanhar pela Sportv vai entender o que estou falando) ele chegou a quase 1s à frente dos seus fortes adversários (lembrando que Fratus ficou apenas a 2 centésimos do bronze olímpico). E aqui vai minha primeira pergunta: porque nesta piscina?

Etiene: por enquanto em voo solo para Istambul. (Agif)

O campeonato serve como seletiva para o Mundial em piscina curta, em Istambul, e 8 atletas (apenas uma no feminino, Etiene Medeiros) já alcançaram o índice. Um deles foi Kaio Márcio, que está em dúvidas se vai valer a pena ou não deste campeonato.

O Finkel, assim como o Mundial e Olimpíadas, é disputado com semifinais nas provas de 200m para baixo. Minha segunda pergunta: para que? Afinal, a competição fica mais longa, os atletas tem que se desdobrar em diversas provas e hospedar por todo este tempo em São Paulo não deve estar ficando barato. Sei que a justificativa é justamente que o sistema é semelhante nos maiores campeonatos, mas -minha última – nosso Brasileiro é feito pensando apenas para aqueles que tem chance de chegar lá ou para todos?

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 3 de agosto de 2012 Londres 2012 | 18:19

Sétima final: recorde mundial e bronze para Cielo

Compartilhe: Twitter

Não deu. Cesar Cielo não conseguiu imprimir seu ritmo usual e dominar a prova. Não sei até que ponto que atrapalhou, mas a saída demorou um pouco para ser dada. De qualquer modo, foi demorada para todos os oito finalistas, inclusive para o campeão olímpico. Florent Manadou, o mais novo de uma série muito experiente (média de 27 anos, 9 medalhas olímpicas, apenas os dois mais novos, ele e Bruno, não tinham…) melhorou na hora certa.

Jones, Manadou e Cielo: mais uma surpresa vinda de Londres.

Jones, Manadou e Cielo: a cor da medalha não era o que todos esperavam.

Agora, ele e sua irmã Laure, devem ser os primeiros irmãos nadadores campeões dos Jogos Olímpicos. Além disso, já dão uma campanha inédita para a França, colocando o país na terceira posição no quadro de medalhas da natação, com 4 ouros, 2 pratas e um bronze.

A prata ficou com Cullen Jones, com o mesmo tempo da semi. Fratus ficou a dois centésimos de Cielo. Pelas redes sociais, os nadadores brasileiros que estavam torcendo reclamaram do barulho da torcida. Ouvi o vídeo, mas entre o “take your marks” e a saída, não pude ouvir nada demais (para não falar nada).

Missy e Beisel: que fofas, 6 medalhas em Londres.

A tarde começou com um incrível recorde mundial nos 200m costas, com Missy Franklin. Depois viu outro tri, provavelmente a última vitória (de 17 ouros, não percam a conta) individual de Michael Phelps, mesmo ele tendo nadado pior que ontem e errando um pouco. Em segundo, o Rei da Copa do Mundo, Chad le Clos, e o russo Evgeny Korotyshkin (com este nome, não podia ser japonês).

Le Clos e Phelps: felizes com seus resultados.

E na última final, apesar de toda torcida para o bi da inglesa Becky Adligton, ela acabou mais uma vez com o bronze. Vencendo, a menina de 15 anos (não, não é chinesa) Katie Ledecky, quase estabelecendo nova marca mundial. Entre elas, a espanhola Mireia Belmonte, que sai com duas pratas nas seis provas que ela nadou.

Ledecky: "oh my God". Como é americana, um talento.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 2 de agosto de 2012 Londres 2012 | 20:53

Sexta final: Cielo e Fratus classificam. Tri sai

Compartilhe: Twitter

Os 200m medley tiveram 6 primeiros dos oito finalistas de 2008. Aparentemente, seria uma estagnação desta prova. E acabou sendo. Phelps tornou-se o primeiro tri da história (só tem um recorde que ele não tem, nem terá. Alguém arrisca?), dando a prata para Lochte. O húngaro Cseh confirma a grande tradição do seu país na prova, adicionando o bronze à prata de 4 anos atrás.

Phelps e Lochte: juntos tem (até agora) 31 medalhas olímpicas, rindo! (AP)

Thiago Pereira, voltou a sua estratégia de passar forte (pior é que fez força demais, na minha opinião) e acabou cansando. Respeitável atitude e o único brasileiro a melhorar ambas as marcas (sem maiôs tecnológicos).

Cesar Cielo e Bruno Fratus fizeram novamente o que era necessário para passar para a grande final: nadaram muito rápido. Fratus melhorou sua marca pessoal, enquanto Cielo empatou em primeiro e já sabe que para vencer deve abaixar cerca de dois décimos. Os adversários devem ser os americanos Jones e Ervin. Gostei dos últimos 5m de Fratus e de sua declaração que o maior adversário é sua própria cabeça. O míssil Magnussen terá que mirar a piscina olímpica do Rio, pois ficou fora da final.

Cielo e Jones: sorrisos à parte, amanhã o bicho vai pegar. (Facebook)

Os 200m peito era dela e desta vez a zica londrina não veio. Rebecca Soni. Primeira bi em Londres. Primeira bi nesta prova. Primeira a abaixar dos 2m20s. Apesar da aparente facilidade, as 5 primeiras bateram recordes nacionais, demonstrando que os técnicos já descobriram a fórmula para nadar mais rápido sem os maiôs tecnológicos neste estilo. Suzuki deu a primeira prata para o Japão, enquanto Efimova garantia o bronze para a Rússia.

Soni (de rosa): recorde mundial para bater o recorde asiático.

Já os 200m costas viram a zica voltar com tudo. O americano Tyler Clary estabeleceu nova marca olímpica para bater o recordista mundial Ryan Lochte, que acabou com o bronze, pois chegou atrás do japonês Irie.

Tyler e Lochte: 200m costas mudam de dono, mas continuam nos EUA desde 96.

A última final viu a holandesa Ranomi Kromowidjojo repetir o feito de seus compatriotas, Inge de Bujin e Pieter vd Hoogenband, vencendo os 100m livre com uma chegada um pouco estranha. Missy Franklin saiu sem medalha desta vez, mas amanhã aparece bem para a final dos 200m costas.

A natação já deu 23 medalhas para os EUA, mais da metade conquistada até agora.

Hoogenband e Daniel Takata: em homenagem ao estatístico mais eficiente da natação. (Facebook)

Autor: Tags: , , , , , , ,

Londres 2012 | 11:00

Sexta eliminatória: brasileiros, rápidos e furiosos

Compartilhe: Twitter

O dia começou rápido, com os 50m livre. Os brasileiros conseguiram passar com certa tranquilidade para a semi. Cesar Cielo e Bruno Fratus estão com o 2o e 3o melhores tempos. Bovell, que já foi medalhista na prova de Thiago, os 200m medley, está em primeiro. Depois, por problemas de joelho, acabou optando pelas provas de livre, onde teve um destaque. O ápice deste nadador que deu a primeira medalha da natação para Trinidad Tobago pode vir com outra medalha.

Bovell: o mais rápido, nas eliminatórias... (Reuters)

Ouro em 2000, Anthony Ervin é o mais jovem medalhista na prova que teve sua estreia olímpica em 1988 e agora pode escrever seu nome nas estatísticas como o mais velho e também o maior hiato entre ouros. Numa prova em que temos 9 medalhistas olímpicos entre os 16 semifinalistas, sendo 3 desta prova (o outro é Schoemann), o favoritismo existe para Cielo, mas os detalhes é que vão determinar quem passa para amanhã ou não.

Infográfico: Entenda como funciona a prova dos 50 m nado livre

A polêmica chegada de Pequim.

Nos 100m borboleta, reencontro entre o sérvio Cavic e o multi-medalhista quebrador de recordes, ainda favorito e em busca do inédito tri, Phelps, depois da prova que deu a vitória ao americana por um centésimo em 2008. Ambos passaram, como esperado, para tarde.

Chad le Clos: será que a história será repetida nos 100m? (Gallo)

Quem nadou melhor que o esperado foi Chad le Clos. Embalado pela vitória histórica em cima de Phelps nos 200m borboleta, o sul-africano até saiu da final dos 200m medley (estava em oitavo) para se dedicar à semi da prova que ficou em primeiro pela manhã. E, pela maneira com que nadou (olhando para os lados e controlando sua posição), tornou-se um dos favoritos.

Quem nadou pior que o esperado foi Kaio Márcio, que alegou uma febre alta, provocada provavelmente por algo que ele comeu, e ficou muito aquém de sua marca.

Toda torcida para a primeira prova da tarde, os 50m livre, e a final dos 200m medley com Thiago Pereira.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 1 de agosto de 2012 Londres 2012 | 16:56

Quinta final: recordes mundiais nos 200m peito

Compartilhe: Twitter

Desda vez não deu. Numa final muito rápida (6 nadando abaixo de 48s) Cielo finalizou em sexto. Para adicionar mais uma surpresa para estes Jogos Olímpicos: Nathan Adrian vence o australiano James Magnussen pela menor margem possível: um centésimo. Bronze para o canadense Hayden, após um vacilo que o colocaria nesta mesma posição quatro anos atrás.

Nathan Adrian: a zebra está à solta em Londres. (AFP)

Thiago Pereira passou tranquilo para a grande final de amanhã e acho que pode vir outra prata por aí. Henrique Rodrigues, nos 200m medley, e Leonardo de Deus, nos 200m costas, não conseguiram avançar.

A maldição do tri continua, e aproveito para corrigir a informação de ontem. Phelps ainda tem mais duas chances para atingir esta marca, nos 200m medley e nos 100m borboleta. Outro tri, este não seria inédito, também pode ser alcançado por Coventry nos 200m costas.

Mas os 200m peito teve emoção suficiente, pois foi necessário um recorde mundial para o húngaro Daniel Gyurta vencer o inglês Michael Jamieson que, por sua vez, não pode reclamar, afinal abaixou 2s da sua melhor marca. Como ele não é chinês, ninguém vai levantar suspeitas. Rui Tateishi deu o sexto bronze para o Japão.

Gyurta e Jamieson: os mais rápídos nos 200m peito.

Na versão feminina, na semi a favorita Rebecca Soni abaixou seu próprio recorde mundial cravando 2:20, perdendo a chance de ser a primeira a abaixar dos 2m20s. Terá outra chance amanhã, mas sua preocupação maior será chegar em primeira. Absoluta nesta prova, atual campeã olímpica, sem ninguém por perto, é considerada a grande favorita. Não acredito em surpresa aqui.

Soni: sozinha nos 200m peito. (AP)

A espanhola Mireia Belmonte está numa verdadeira maratona em Londres, parecia dominar a prova, mas a chinesa Liuyang Jiao mandou um recorde olímpico para subir uma posição de quatro anos atrás. Sim, mais um bronze para o Japão com Natsumi Hoshi.

Pódium dos 200m borboleta: primeira medalha da Espanha.

Fechando o dia, um eletrizante revezamento 4x200m feminino, onde os EUA abocanharam sua 18a. medalha (oitava dourada) batendo uma Austrália (sua oitava medalha) e França (sexta medalha).

Ao final do quinto dia, o Japão está em 13o. na natação, com 7 bronzes.

Autor: Tags: , , , , , , ,

Londres 2012 | 10:41

Quinta eliminatória: a melhor do Brasil

Compartilhe: Twitter

Três em quatro. 75% dos brasileiros que nadaram pela manhã passaram para as semifinais. Thiago Pereira, Henrique Rodrigues e Leonardo de Deus vão nadar nesta tarde em busca de vagas para a final de amanhã.

Henrique Rodrigues: melhorando, pode chegar a final. (Agif)

Nos 200m medley, Thiago e Henrique entrarão com expectativas diferentes. Um, já medalhista olímpico, nadou para classificar e tem esperança de nova medalha. O outro tem que melhorar sua marca para poder chegar à final, o que seria um ótimo resultado. Thiago vai pegar um Lochte cansado dos 200m costas, que o brasileiro abriu mão para se concentrar na sua melhor prova.

Nos 200m costas, Léo de Deus saiu dizendo que nada melhor à tarde, e ele deve fazer isso, se quiser nadar a final de amanhã. Ideal seria recuperar o recorde sul-americano para o Brasil, numa das poucas provas do masculino que não pertencem ao país. O atual recordista, o colombiano Pinzón, também passou para a semi.

Léo de Deus: melhorando, pode chegar a final. (Agif)

Daynara de Paula nadou mais tranquila que nos 100m borboleta e ficou próxima ao seu melhor tempo, encerrando sua primeira participação olímpica.

Mas a tarde vai ser de Cielo. A estratégia da prova vai contar muito. Não acredito em nenhuma marca surpreendente (se bem que surpresa é o que não faltou até aqui…), e sim disputa estratégica dos oito nadadores de países distintos. Todos gigantes (1.92m é o mais baixo) vão enfrentar o favoritismo do australiano (único de seu país que chegou como primeiro do ranking mundial), a ascensão do francês (3 medalhas em Londres) e a velocidade imbatível de Cielo (bronze 4 anos atrás).

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 31 de julho de 2012 Londres 2012 | 11:36

Quarta eliminatória

Compartilhe: Twitter

Hoje. De tanta gente perguntar, quando Cesar Cielo vai nadar, respondo antecipadamente desde as cinco da manhã: hoje. Hoje o que? Cesar Cielo nada. Ah, mas não é a prova dele. Não, ele é recordista mundial, medalhista olímpico, mas não nada esta prova, não. Ou, como dizem, não é especialista…

Cielo: precisa melhorar para nadar a final amanhã - e sabe disso. (Zimbio)

Cielo nadou e fez o que era esperado: classificou-se para a semi. Nesta hora não adianta fazer qualquer tempo relevante. De modo semelhante, o importante à tarde é chegar entre os oito melhores tempos. Raia 1 e 8 são as “piores”? Em tese, sim; na prática, pouco importa, tem os mesmos 50m e, com as novas tecnologias, a questão da marola nos cantos foi minimizada. Cesar Cielo, Gustavo Borges e Fernando Scherer conquistaram medalhas nestas raias laterais.

Outro brasileiro que nadou consciente foi Tales Cerdeira, indo para a semi dos 200m peito. Nicolas Oliveira, nos 100m livre, Henrique Barbosa, nos 200m peito, e Joanna Maranhão, nos 200m borboleta, não nadaram perto de suas melhores marcas e acabaram suas participações (a não ser que Nicolas nade o revezamento medley de manhã).

Tales Cerdeira: nadou consciente e está na semi.

Na verdade, todos os nadadores que foram a Londres tinham chance de ficar entre os 16 melhores, nas suas melhores provas. Seria assim com Fabíola Molina,  nos 100m costas, e Felipe França, nos 100m peito, para ficar apenas em dois exemplos. Ninguém quer representar mal o Brasil, quanto mais a si mesmo! Acredito que o pessoal treinou (e muito). A maioria, ao contrário do que pensam alguns, tiveram acompanhamento de nutricionista, psicólogo, preparador físico, fisiologista e outros profissionais do ramo. Mas, tudo tem que dar certo, na hora certa. Não tem outra chance – apenas daqui a  4 anos!

E finalizo perguntando aos críticos: e você, qual a sua colocação na sua profissão? Na cidade? No Brasil? No mundo?

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 20 de julho de 2012 curiosidades, Londres 2012, natação | 21:26

Façam suas apostas

Compartilhe: Twitter

Europeu gosta de jogar e as Olimpíadas são uma oportunidade única de dar um status ainda mais glamouroso para este vício. Pelas apostas neste site, ninguém vai ficar rico se Cesar Cielo Filho (8/13) ganhar os 50m livre…

Atenção: ninguém está incentivando a jogar! Dados apenas informativos.

Os demais brasileiros mencionados são: Bruno Fratus (12), Nicolas Oliveira (125), Daniel Orzechowski (200), Leonardo Deus (66) , Kaio Almeida (66), Thiago Pereira (2), Henrique Rodrigues (133), Joanna Maranhão (56), Graciele Hermann (47), Fabiola Molina (250) e Poliana Okimoto (14), além de revezamentos. Peguei apenas a média das provas principais ou a melhor “cotação”.

Aproveitando a deixa, minhas apostas para medalhas ainda incluem Leonardo de Deus, Kaio Almeida e Poliana Okimoto.

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 19 de julho de 2012 curiosidades, Londres 2012, medalhas, natação | 23:17

A previsão de medalhas do Brasil

Compartilhe: Twitter

Uma de cada cor. Esta é a previsão da revista Sports Illustrated de medalhas brasileiras. Seria a melhor campanha, graças ao ouro e bronze de Cielo (50 e 100m, respectivamente) e prata para Felipe França (100m peito).

Não, não errei, sei que é a Time e não a SI, mas a capa desta não trazia nadador...

Concordo com a revista, mas ainda torço para surpresas agradáveis com Thiago Pereira, Bruno Fratus e o revezamento 4x100m livre, por exemplo.

A mesma revista está colocando os 100 melhores momentos olímpicos (dos atletas americanos). Ainda faltam 6, mas a natação já apareceu em 14 momentos. Entre eles, os óbvios Phelps, Biondi e Weissmuller (não me digam que não conhecem o Tarzan, por favor), mas falta Mark Spitz (certamente estará nos próximos).

Morales: ainda nadava sem óculos e touca.

Além deles, conta sobre menos famosos mas com histórias facinantes, como a de Pablo Morales. Filho de imigrantes cubanos, ele havia acabado de bater o recorde mundial na seletiva americana antes de Los Angeles-1984, mas acabou perdendo para o Albatroz alemão, Michael Gross.

Quatro anos mais tarde, a decepção foi ainda maior. Chegou à seletiva vencendo tudo e estabelecendo um recorde que só cairia 10 anos depois, mas nem se classificou para Seul. Aposentado, voltou um ano antes de Barcelona, quando tornou-se o campeão olímpico de natação mais velho.

E o ouro não veio de forma fácil, pois quem estava naquela final era Anthony Nesty (aquele que havia vencido por 1 centésimo o favorito Matt Biondi 4 anos antes), seu compatriota Melvin Stewart (recordista mundial dos 200m) e o espanhol (bem, nem tanto) Martin Lopez-Zubero, nadando em casa.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. Última